Turma da MônicaCom o fim da Segunda Guerra Mundial, as publicações de histórias em quadrinhos aumentaram nos EUA. O interesse crescia não só entre as crianças, mas também entre os adultos. No Brasil, os primeiros quadrinhos tinham forte ligação com a Disney e a revistinha do Pato Donald foi lançada pela iniciante Editora Abril.

O primeiro gibi brasileiro que teve sucesso considerável foi criado por Ziraldo durante os anos 60, era o Pererê. A Turma da Mônica começou a ser trabalhada ainda naquele século, mas só ganhou destaque nos anos 70. Trabalhar com as histórias em quadrinhos durante a ditadura se mostrou mais complicado no Brasil do que em outros países. Outros nomes que podem ser destacados na história da HQ brasileira são: Henfil, Ivan Lessa, Millêr, Jaguar, Guidacci, dentre outros.

Turma da Mônica

A Turma da Mônica é a principal representante de história em quadrinhos do Brasil. Seu criador foi Mauricio de Sousa que nasceu na cidade de Santa Isabel, em São Paulo. Começou a desenhar para ajudar sua família, mas pensava em se dedicar a isso de forma profissional. Foi para São Paulo em busca das empresas de desenho. Ele foi admitido como repórter policial no jornal Folha da Manhã.

Acabou escolhendo ficar com a arte em criou tirinhas com os personagens Bidu e Franjinha que passaram a ser divulgados no jornal Folha de São Paulo. Depois, ele foi criando outros personagens como Chico Bento, Penadinho, Cebolinha, Horácio e Astronauta. Em 1970, foi lançada a revista da Mônica, seguida pelas histórias infantis do Cebolinha, Chico Bento, Cascão, Magali, dentre outros.

As revistas se tornaram conhecidas em todo o país e também no exterior. Diversos produtos foram licenciados com a marca e foram criados dois parques temáticos. Em 2008 começou a ser publicada a revista Turma da Mônica Jovem, com estilo mangá e apresentado os mesmos personagens durante a adolescência.